INCIDÊNCIA DE MALFORMAÇÕES CONGENITAS DO APARELHO CIRCULATORIO REGISTRADAS NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO BRASIL, 2008-2018

Autores

  • Poliana Cominote Masiole
  • Luciana Fonseca De Moura
  • Greice Kelly Palmeira Campos
  • Adriene De Freitas Moreno Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.51161/rems/1405

Palavras-chave:

CARDIOPATIAS CONGÊNITAS, MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS, DEFEITOS CONGÊNITOS

Resumo

Introdução: As cardiopatias congênitas são anormalidades estruturais ou fisiológicas do sistema cardiocirculatório, as quais advêm desde o nascimento e podem ser diagnosticadas posteriormente. Contribuem com cerca de 40% dos defeitos congênitos, sendo uma das malformações mais frequentes e a de maior morbimortalidade. São responsáveis por morte intraútero e mesmo após o nascimento, podem gerar mortalidade na infância ou na idade adulta. Objetivo: Identificar o perfil epidemiológico das malformações congênitas do aparelho circulatório registrados nos sistemas de informações em saúde do estado do Espírito Santo no período de 2008 a 2018. Material e Método: Trata-se de um estudo exploratório, transversal, fundamentado na investigação de dados secundários do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), no período de 2008 a 2018. Resultados: Observou-se no período estudado que houve 594.584 nascidos vivos com 296 malformações congênitas do aparelho circulatório no Espírito Santo. Chamou a atenção que no ano de 2010 teve o menor índice de notificação, 12 casos, sendo que o ano de 2017 registrou-se o maior número de notificações, totalizando 55 casos. Conclusão: O conjunto de indicadores epidemiológicos possibilitou estimar o cenário das malformações congênitas do aparelho respiratório no estado, com intuito de contribuir e incentivar novos estudos para o reconhecimento da temática. No Brasil, em 2015, as malformações congênitas ficaram entre as principais responsáveis por óbitos na faixa etária de 5 a 19 anos. Após análise dos dados referente ao estado do Espírito Santo em 10 anos, observou-se um aumento significativo no número de notificações, eventualmente a partir de 2016, talvez justificada pela maior detecção de defeitos menores através de exames de imagem, cujo uso está atualmente difundido, assim como a descentralização do Sistema Único de Saúde (SUS), sinalizando a importância e necessidade de adequações na metodologia dos registros.

 

Publicado

2021-07-28

Como Citar

Masiole, P. C. ., Moura, L. F. D. ., Campos, G. K. P. ., & Rodrigues, A. D. F. M. . (2021). INCIDÊNCIA DE MALFORMAÇÕES CONGENITAS DO APARELHO CIRCULATORIO REGISTRADAS NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO BRASIL, 2008-2018. Revista Multidisciplinar Em Saúde, 2(3), 08. https://doi.org/10.51161/rems/1405

Edição

Seção

II Congresso Brasileiro de Saúde On-line

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)