USO DA TOXINA BOTULÍNICA NO TRATAMENTO DA ENXAQUECA

Autores

  • Mariana Lemos Meyer Bittencourt
  • Vera Lígia Oliveira Valente
  • Emília Alcântara Moreira
  • Camila Barbosa Rodrigues
  • Yara de Fátima Hamú Castanheira

DOI:

https://doi.org/10.51161/rems/649

Palavras-chave:

Enxaqueca, Toxina Botulínica, Tratamento

Resumo

Introdução: A enxaqueca é caracterizada como crises de cefaleia com frequência variada que impacta negativamente nos âmbitos físico, emocional e socioeconômico do indivíduo que a possui. Objetivo: Este trabalho busca entender o mecanismo de ação da toxina botulínica no tratamento profilático da enxaqueca. Material e métodos: Trata-se de uma revisão bibliográfica realizada nas bases Pubmed, SciELO e Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar de 2012 a 2019. Resultados: A dor da enxaqueca é proveniente da liberação de neurotransmissores e neuropeptídeos inflamatórios como CGRP, SP e glutamato que estimulam via do nervo trigêmeo pela ativação de receptores e canais iônicos através do cloreto de potássio e capsaicina. A toxina botulínica é capaz de inibir e reduzir a liberação de SP e CGRP respectivamente devido a clivagem da SNAP-25 pela cadeia leve da toxina. Estudos realizados em pacientes diagnosticados com enxaqueca crônica demonstraram redução sérica de CGRP em 1 mês após as aplicações, ou seja, foi possível concluir o efeito anti-nociceptivo da OBOT-A, inibindo a sensibilização periférica e diminuindo a sensibilização central. A dose aplicada irá variar de acordo com a gravidade da cefaleia, sendo recomendada a infiltração bilateral em 31 pontos, podendo chegar a 39 pontos, dos músculos: prócero, corrugador, frontal, temporal, occipital, paraespinal cervical e trapézio, sendo que há diferentes protocolos para administração de OBOT-A com o objetivo de atingir ramos dos nervos trigêmeos e occipital para atenuar a dor crônica. Conclusão: A toxina botulínica é capaz de cessar a sensibilização periférica e central provocada pela enxaqueca. Portanto, é importante quando for atuar na aplicação deste injetável, ter conhecimento do mecanismo de ação e da técnica utilizada para que possam aperfeiçoar as estratégias e auxiliar no tratamento dos portadores desta patologia, tendo em vista que esta condição influencia significativamente na qualidade de vida daqueles que a possuem.

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Bittencourt, M. L. M., Valente, . V. L. O., Moreira, E. A., Rodrigues, C. B., & Castanheira, Y. de F. H. (2021). USO DA TOXINA BOTULÍNICA NO TRATAMENTO DA ENXAQUECA. Revista Multidisciplinar Em Saúde, 2(1), 2. https://doi.org/10.51161/rems/649

Edição

Seção

Anais do Congresso Brasileiro de Bioquímica Humana On-line