ASPECTOS RELACIONADOS À SÍFILIS GESTACIONAL NO BRASIL

Autores

  • Lara Verardo Gomes dos Santos
  • Karine Panuce De Oliveira
  • Heliara Maria Spina Canela

DOI:

https://doi.org/10.51161/rems/2201

Palavras-chave:

EPIDEMIOLOGIA, PREVENÇÃO DE DOENÇAS, SÍFILIS GESTACIONAL, TREPONEMA PALLIDUM

Resumo

Introdução: A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível, que tem a bactéria Treponema pallidum como seu agente etiológico. Quando adquirida durante a gestação e não tratada adequadamente, pode ser transmitida verticalmente, resultando na sífilis congênita, que pode resultar em várias consequências. Embora seja prevenível, a sífilis gestacional ainda se apresenta como importante agravo de saúde no Brasil. Objetivos: O presente estudo teve por objetivo analisar a sífilis gestacional no país. Material e métodos: Foi realizada uma revisão de literatura, utilizando-se os indexadores SciELO e PubMed. Resultados: Foi possível observar uma tendência de crescimento nos casos de sífilis gestacional de 2009 a 2018, com uma pequena redução no ano de 2019. Embora esse aumento possa significar melhoria na cobertura do atendimento pré-natal, com ampliação da quantidade de diagnósticos, também reflete deficiências no processo de prevenção de tal infecção. A região Sudeste é responsável pela maioria dos casos seguida por Nordeste, Sul, Norte e Centro-Oeste. No ano de 2019, a maioria das notificações ocorreu no primeiro trimestre de gestação (38,7%), com o terceiro trimestre logo em seguida, com 30,4%, o segundo trimestre com 24,2% e os casos com idade gestacional ignorada foram 6,5% do total. Estudos indicam que a sífilis gestacional está relacionada a menores níveis de escolaridade e situação socioeconômica desprivilegiada, com dificuldade de acesso ao atendimento pré-natal. O diagnóstico da infecção é baseado em testes sorológicos treponêmicos e não treponêmicos, além dos sinais clínicos, que podem estar ausentes. O tratamento é realizado principalmente com penicilina, geralmente por via intramuscular. Atualmente, no Brasil, preconiza-se o tratamento da gestante após um resultado positivo nos testes laboratoriais, de maneira a não se perder a oportunidade de tratamento. Conclusão: É possível observar que muito ainda deve ser feito para o controle da sífilis gestacional no país e essas medidas devem ser baseadas em ações de prevenção, educação em saúde e diagnóstico e tratamento oportuno. São necessárias ações integradas entre os diferentes níveis de gestão, para que tal agravo atinja níveis aceitáveis no Brasil.

Publicado

2021-10-07

Como Citar

Santos, L. V. G. dos ., Oliveira, K. P. D. ., & Canela, H. M. S. . (2021). ASPECTOS RELACIONADOS À SÍFILIS GESTACIONAL NO BRASIL. Revista Multidisciplinar Em Saúde, 2(4), 60. https://doi.org/10.51161/rems/2201

Edição

Seção

I Congresso Brasileiro de Doenças Infectocontagiosas On-line

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.