ETNOZOOLÓGIA E USO DE VESTÍGIOS PARA INVENTARIO E CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS EM BORDAS DE FRAGMENTOS NO SUL DE MINAS GERAIS

Autores

  • Alyson José Gonçalves Dos Santos
  • Ana Barbara Barros
  • Alexandre Martins Costa Lopes
  • Tadeu Gomes De Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.51189/rema/1068

Palavras-chave:

Conservação, Etnozoológico, Mamíferos

Resumo

Introdução: O Brasil possui a maior biodiversidade de mamíferos do mundo, sendo 734 espécies atualmente descritas, representando cerca de 13% da fauna de mamíferos do planeta. O avanço das atividades humanas, tem afetado diretamente esta fauna, devido a caça descontrolada, diminuição de habitat e introdução de animais exóticos, que causam grande impacto para essa fauna de animais silvestres. Decorrente a isso, as atividades conservacionistas para estes fins vem sendo cada vez mais colocadas em pauta. Diante disso, o estudo etnozoológico vem se destacando, pelo fato de apresentar-se como o estudo da ciência zoológica, elaborada através de saberes e crenças da forma que o homem percebe, classifica e utiliza os animais, assim atualizando-se destes conhecimentos, para elaborar estratégias de conservação envolvendo a interação dos humanos com os animais silvestres. Objetivos: Levantamento de mamíferos através de vestígios e diagnostico etnozoológico de produtores em campo, se deu através de buscas ativas quinzenais, realizadas durante novembro de 2019 a novembro de 2020, em bordas de fragmentos no município de Heliodora-MG. Os dados etnozoológicos foram obtidos mediante a visitas, de outubro a dezembro do ano de 2020. Resultados: Em 12 meses de coleta de campo, foram registradas 16 espécies de mamíferos silvestres, pertencentes a 15 gêneros, 11 famílias e sete ordens. A ordem Carnívora foi a mais abundante, com sete espécies, seguida de Rodentia, Lagomorpha e Cingulata com dois táxons por ordem, o restante, Artiodactyla, Didelphimorphia e Primates com um táxon por ordem. Os produtores rurais, citaram todas as espécies registradas em campo, acrescentando, seis espécies a ordem Carnívora, duas a Rodentia, Artiodactyla, e Didelphimorphia, e, uma, a Primates e Pilosa. Conclusão: Os aspectos etnozoológicos abordados neste trabalho, foram de suma importância para adquirir informações presentes e históricas da riqueza de mamíferos do local. Quando se observa um acréscimo no número de espécies pré-existentes, fica evidente, a eficácia do uso do estudo etnozoológico para inventários faunísticos, que, embora se faça necessário, uma maior investigação dos dados obtidos junto a população, são extremamente necessários para elaborar estratégias conservacionistas para o local.

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Dos Santos, A. J. G. ., Barros, A. B., Lopes, A. M. C., & De Oliveira, T. G. . (2021). ETNOZOOLÓGIA E USO DE VESTÍGIOS PARA INVENTARIO E CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS EM BORDAS DE FRAGMENTOS NO SUL DE MINAS GERAIS. Revista Multidisciplinar De Educação E Meio Ambiente, 2(2), 52. https://doi.org/10.51189/rema/1068

Edição

Seção

Congresso Brasileiro de Biodiversidade Virtual

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)